terça-feira, 9 de março de 2010

Abrigo de cães sem dinheiro para comida - JN

Abrigo de cães sem dinheiro para comida - JN

São voluntários - apenas quatro - , acolhem e cuidam dos cães que outros vão abandonando em Santo Tirso (chegam a resgatar alguns do canil municipal, a fim de evitar o abate) e, agora, estão a desembolsar cerca de 1800 euros por mês para os alimentar.

Tudo porque à Associação dos Amigos dos Animais de Santo Tirso não chegam apoios.

A expectativa não é grande, mas Luísa Pelayo, presidente da associação, vai renovar o apelo à Câmara. "A ver se conseguimos algum donativo", porque, afinal, "são cães que não entram no canil e é dinheiro que poupam em alimentação e abates", observa. E são muitos: mais de duas centenas esgotaram a capacidade do abrigo, num terreno alugado em Santa Cristina do Couto.

A enérgica Jessica, por exemplo, foi encontrada nas ruas do centro de Santo Tirso. Ao pescoço, trazia um papel manuscrito que rezava assim: "Olá, eu sou a Preta e tenho dois meses. Por favor, vacinem-me, esterilizem-me, desparasitem-me e fiquem comigo". Sem mais. "Sabemos a matrícula [do carro de onde a cadela foi largada], fizemos queixa à GNR e ficou em águas de bacalhau", indigna-se Rita Sousa, uma das voluntárias, alertando para a necessidade de a Autarquia promover a esterilização dos animais que captura. Entretanto, os animais consomem todos os dias 120 quilos de alimento… "Temos o barracão da ração vazio. Estamos a pagar por dia 60 euros do nosso bolso", lembra Rita, explicando que até esse recurso já secou. "Neste momento, falta-nos ainda voluntários e adoptantes", lamenta a voluntária que em cada sábado se desloca do Porto a Santo Tirso para ajudar animais rejeitados


http://jn.sapo.pt/paginainicial/pais/concelho.aspx?Distrito=Porto&Concelho=Santo+Tirso&Option=Interior&content_id=1514243